Valerian e a Cidade dos Mil Planetas (e de zero expectativas)

Categorias Cinema

SINOPSE

Alpha, a Cidade dos Mil Planetas, é uma amálgama de estruturas, e das raças sencientes amigas de toda a galáxia, incluindo a raça humana. A cidade é tão vasta que nem sempre é possível perceber as ameaças que rastejam em seus subterrâneos e arredores e, para isso, conta com o Major Valerian (Dane DeHaan) e a Sargento Laureline (Cara Delevingne), ambos a serviço da federação.

COMENTÁRIOS

Eu tenho que admitir que o filme me surpreendeu. Positivamente falando. Porque a “cara” dele é só de mais um filme adolescente meio besta, e… Bom, na verdade, é isso o que ele é, só que dá pra extrair coisas dele.

Primeiro que ele tem uma das sequências de abertura mais belas que eu já vi no cinema, falando sério. Eu vi poucas vezes a união entre raças e povos tão bem representada quanto nesse momento. Depois, vemos uma sequência quase tão bela quanto as que vimos em Pandora, de Avatar, que te encanta e te emociona. Até, por fim, sermos apresentados aos protagonistas da história.

E aí a gente vê que, o que você esperava, vai acontecer. Mas comento mais a frente

O enredo acompanha os dois na missão de resgatar um objeto, e de uma ameaça à estação/cidade/planeta artificial Alpha.

O QUE FOI BOM

Muitas coisas, na verdade. A começar, o visual. O filme é maravilhoso, visualmente. O 3D é muito bem usado (coisa rara), e você fica encantado/a com o que vê.

As cenas de ação são muito legais, e tentam pensar coisas batidas de forma diferente. Ele tá fugindo? E se ele fugir entre 2 dimensões ao mesmo tempo? De que forma armas grandes e assustadoras podem ser não letais? Quais seres e hábitos diferentes podem existir numa cidade onde tudo existe?

Também temos personagens muito legais, como Bubble (Rihanna), ou a sargento Laureline. Alguns coadjuvantes se mostram personagens melhores do que a encomenda, como os 3 “pombos”, ou o sargento Neza (Kris Wu, ex-participante de uma famosa banda de k-pop. Minha namorada surtou quando soube).

E as questões que o filme levanta. Infelizmente não posso falar aqui pra não estragar, a gente pode debater nos comentários, depois.

O QUE FOI RUIM

O protagonista. Caraca, que imbecil. E egocêntrico. E forçado. E com piadas sem graça. E sem carisma. Pqp.

Relações forçadas. Um romance que vem do nada, e termina de uma maneira maluca.

A maneira rasa como aborda temas interessantes. Você fica esperando o filme te trazer debates que não vem. Então você pensa “mas é uma aventura adolescente”. Eu odeio a desculpa de “obras para jovens podem ser burras”. Obras burras podem ser burras. Dá pra debater qualquer tema fazendo filmes para qualquer idade (Pixar, abraço. Saudades), e isso não acontece nesse. Diminuía tempo de “eu te amo”, “deixe sua lista de lado”, “casa comigo”, e o filme melhorava pra caramba.

CONCLUSÕES

O filme abre muitas brechas para se revelar muito interessante. O povo Pearl, e seus problemas. Bubble. Corrupção, orgulho e carácter (com o vilão). As tecnologias que ele propõe são fantásticas, mas são muito interessantes.

Porém, se perde tentando fazer piadas que não são lá essas coisas (principalmente quando feitas pelo protagonista), ou tentando fazer uma relação amorosa, que surge do mais puro nada, começar a fazer sentido. Mas surpreendentemente eu gostei. E eu gostei porque eu esperava SÓ uma aventura adolescente, e me deram uma aventura adolescente bonita, e com um enredo que tenta (mas é atrapalhado pelo protagonista).

Se você for jovem, ou tem jovens em casa, vá ver. Senão, só se você for MUITO fã de ficção científica, e quer ver todas as novidades. Ou é fã da Rihanna.

Nota: 5,5

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *