Transformers: O Último Cavaleiro

Ontem foi dia de ver Transformers: O Último Cavaleiro e… bom, é aquilo que você já viu: Pof, crash, pow pow pow, cabuuum. Mas calma, eu vou ser mais justo com o filme. Segue a leitura:

SINOPSE

A terra está sofrendo uma invasão alienígena. De novo. A gente é meio que a Princesa Peach do Reino dos Cogumelos, sempre sob a mesma ameaça, só levemente disfarçada. Dessa vez, uma série de Transformers tem caído no planeta, sem distinção entre Autobots e Decepticons, e tem guerreado como só eles sabem fazer. Assim, a humanidade decidiu que todos são perigosos, e cria uma força de combate, a TRF. Nesse meio tempo, Cade Yeager (Mark Wahlberg) tenta proteger os autobots tanto dos decepticons como da TRF, e acaba encontrando Izabella (Isabela Moner), uma orfã amiga dos robôs.

E o Optimus Prime? Bom, nosso caminhão preferido tá indo de volta pra casa, tentar parar esse samba de maluco, mas dá ruim. 

E o Anthony Hopkins? É o Sir Edmund Burton, um pesquisador que estuda transformers desde a antiguidade. Pera, que?

O que esperar do filme?


Nada de novo. Ou melhor, é uma roupagem nova para coisas que você já viu. Guerras entre robôs destruindo a si mesmos e os prédios ao redor, de maneira desenfreada. Mas tá, eu falei que seria justo:

O que foi bom?

Sendo bem honesto, eu tenho preconceito com os filmes de Transformers. Mas tenho que admitir que o quarto filme e esse me divertiram. Acho que são bons filmes de ação.

Tem uma coisa que eu odeio em filmes do gênero, ainda mais quando são de robôs, que é quando a cena de ação fica tão desenfreada que você simplesmente não consegue entender o que se passa na tela. Seu cérebro desliga. Eu chamo isso de Efeito Transformers. E não senti isso nesse filme (não muito, pelo menos).

Outra coisa que achei legal, tem duas personagens femininas interessantes nesse filme. A primeira, Izabela, que mesmo sendo uma criança, se dá bem com os transformers e sabe consertá-los (e a atriz manda bem demais, tem futuro essa menina), e Vivian, uma doutora em 3 áreas de conhecimento diferentes, além de jogadora de polo (odeio camisas polo), cuja uma das falas é “vocês poderiam parar de falar de homem e me perguntar sobre meu trabalho”. Foda.

As piadas também, são muito boas. Ou eu que rio de tudo. O que é verdade, eu realmente rio de tudo. Mas eu gostei mesmo das piadas, tão de parabéns.

E os efeitos. O filme é lindo, as cenas são bem captadas, o trabalho com os robôs continua fenomenal.

Acho que é isso. Ação boa, personagens melhores que a média Transformers, música legal também.

O que foi ruim?

Bom… É o que eu tô repetindo o tempo todo: é Transformers, gente! Não dá pra esperar muito tendo em vista os anteriores. Se eu fosse levar a sério diria que Michael Bay COMETEU mais um filme da franquia.

Enredo sem sentido, diálogos que, quando não são engraçados, são fracos. Inclusive, parabéns Sr. Hopkins, você é realmente um ator maravilhoso, pra mandar tão bem num filme desse); Outro ponto é que eu gosto quando os filmes fazem releituras de outras histórias: como contos clássicos ou acontecimentos históricos da humanidade. Nesse filme porém eles tentam usar desse artifício, mas acabam não o executando de uma forma boa e caem em clichês: Transformers na Segunda Guerra Mundial? E as pirâmides de novo? Assistam para saber do que estou falando.

Sir Burton e o robô com sotaque francês que... Eu esqueci o nome
No quesito representatividade, temos:

  • Mulheres: duas personagens centrais pra trama; ficam meio apagadas no meio pro final.
  • Negros: alguns personagens de alto escalão, e Jimmy (Jerrod Carmichael), o ajudante/vice-presidente de Cade. Some do meio pro final.
  • Gays: nenhum.
  • Não passa no teste de Bechdel

VOU OU NÃO VOU?

Então…  você QUER um filme de ação bom, com lutas legais, robôs maneiros, carros bonitos, riscos iminentes à Terra? Então jogue duro, esse filme é pra você. Você vai se divertir muito, e eu me diverti vendo.

Não é isso que você procura no cinema? Então guarde seu dinheiro. Mantendo o tom estereotípico que tive no texto inteiro, mesmo sendo um bom Transformers, ainda é só um Transformers.

Se for pra dar nota, como filme de ação eu daria 8.5, para o filme como um todo eu dou 4.5. Vou manter então uma nota 5.0

…MAS E A FÍSICA, HEIN?

Ah cara, tá por aí. Você não veio aqui pra isso. Algumas coisas caem no filme, tá satisfeito?

Izabela e os filhotinhos dinobots

Escrito por: Fernando Medeiros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *