Os 5 livros que surpreenderam em 2016

Não é surpresa para ninguém que 2016 não foi um ano muito bom para a maioria das pessoas, inclusive para mim, mas digamos que mesmo com todas as crises políticas, sociais e econômicas que enfrentamos nesse ano, com uma coisa 2016 foi bastante generoso conosco, isso mesmo: livros.

Esse foi um ótimo ano para a literatura, eu lembro de já ano passado (Que saudades… nunca pensei que diria isso!), comecei a pesquisar obcessivamente vários livros que eu compraria esse ano e tinha feito uma lista muito grande. E recentemente em quanto arrumava meu quarto me deparei com ela e então tive a ideia de fazer uma pequena retrospectiva aqui no blog de livros que lançaram esse ano e que eu li, amei ou não.

É obvio que a lista tinha muitos livros, mas resolvi resumi-la em 6 livros… Então lá vamos nós!

Retrospectiva Literária 2016

1. Não se enrola não.

Retrospectiva Literária 2016
Não se enrola, não

” A vida de Isabela dá uma completa reviravolta depois do sucesso de seu blog, Garota em Preto e Branco. Decidida a perseguir seus sonhos, ela abandona o curso de direito, deixa a casa dos pais, em Juiz de Fora (MG), e se muda para São Paulo tão logo conquista um emprego numa badalada revista on-line. Enquanto se adapta aos novos tempos numa quitinete no Baixo Augusta, Isabela escreve seu primeiro livro.

Seria perfeito se no apartamento em frente não morasse o envolvente Pedro Miller e os dois não se embolassem regularmente sob o mesmo lençol. Não, não é namoro. Não, não é apenas amizade. É algo muito mais enrolado, um relacionamento sem um nome definido. Um “isso”, como diz a personagem. Embora não tenha coragem de confessar seus sentimentos, Isabela sabe que está perdidamente apaixonada pelo seu melhor amigo.

Após Não se apega, não e a sequência, Não se iluda, não, Isabela Freitas mostra neste Não se enrola, não os primeiros passos de seus personagens na vida adulta, com toda a independência e as responsabilidades que ela proporciona.”

Os livros da Isabela são bastantes conhecidos, principalmente depois de seu estouro com Não se apega, não e Não se iluda, não.

Eu a conheci através de duas amigas que eram muito suas fãs e depois de ter comprado seus dois livros na bienal em 2014, quando soube que ela já estava escrevendo o terceiro, fiquei bastante curiosa. Não porque seus livros sejam os meus favoritos, até porque não são.

Mas porque eu realmente desenvolvi uma curiosidade com os desfecho para a história da protagonista. Mas mesmo depois de ter lido Não se enrola, não. Minha opinião sobre os livros dela não mudou, ainda acho os acho sem graça e pretenciosos.

Eu esperava que aos poucos sua escrita fosse chamar minha atenção positivamente, mas continuo me entediando todas as vezes que eu leio. Então, para mim foi outra decepção.

2. O Martelo de Thor 

Retrospectiva Literária 2016
Magnus Chase: o martelo de Thor

” Em A Espada do Verão, primeiro livro da série, os leitores são apresentados a Magnus Chase, um herói boa-pinta
que é a cara do astro de rock Kurt Cobain. Morador de rua, sua vida muda completamente quando ele é morto por um gigante do fogo. Por sorte, na mitologia nórdica os heróis mortos vão parar em Valhala, o paraíso pós-vida dos guerreiros vikings. Lá, Magnus descobre que é filho de Frey, o deus do verão, da fertilidade e da medicina.

Desde então, seis semanas se passaram, e nesse meio-tempo o garoto começou a se acostumar ao dia a dia no Hotel Valhala. Quer dizer, pelo menos o máximo que um ex-morador de rua e ex-mortal poderia se acostumar. Magnus não é tão popular quanto os filhos dos deuses da guerra, como Thor e Tyr, mas fez bons amigos e está treinando para o dia do Juízo Final com os soldados de Odin — tudo segue na mais completa paz sanguinolenta do mundo viking.

Mas Magnus deveria imaginar que não seria assim por muito tempo. O martelo de Thor ainda está desaparecido. E os inimigos do deus do trovão farão de tudo para aproveitar esse momento de fraqueza e invadir o mundo humano.”

Eu, como uma super fã do Rick Riordan simplesmente não poderia ignorar o lançamento de Magnus Chase!

Desde 2011 venho acompanhando todas as suas series, desde Percy Jackson e os Olimpianos, e por enquanto Rick não me decepcionou, com seus personagens carismáticos e astutos ele é provavelmente meu escritor de mitologias favorito.

É claro que eu tinha minhas dúvidas quando ele anunciou essa nova série, mas eu tenho realmente adorado. Ele conseguiu contrabalancear as informações mitológicas com o cotidiano, como sempre faz em seus livros, além de deixar os personagens complexos, mas sem pôr muito peso fazendo com que seja um livro divertidíssimo e intrigante ao mesmo tempo.

3. O Garoto do Cachecol Vermelho

Retrospectiva Literária 2016
O Garoto do Cachecol Vermelho

“Melissa é uma garota linda, rica e mimada, que sempre consegue o que quer e tem todos na palma da mão. Ela acredita que a carreira de bailarina é a única coisa que realmente importa, porém suas certezas são abaladas quando faz uma aposta com um garoto misterioso, que parece ter como objetivo virar sua vida de cabeça para baixo. De repente, Melissa se vê dividida entre dois caminhos: realizar seu maior sonho, pelo qual batalhou a vida inteira, ou viver um grande amor. Mas, não importa aonde ela vá, todas as direções apontam para o garoto do cachecol vermelho… Com esta história intensa e apaixonante, Ana Beatriz Brandão vai emocionar e surpreender o leitor, provando que é uma jovem autora que tem muito a dizer.”

Ana Beatriz foi minha descoberta desse ano, eu nunca tinha ouvido falar dos seus livros até o aniversário da minha amiga chegar e eu encontrar esse livro na saraiva. Inicialmente eu teria que ter dado o livro para ela, de presente, mas depois de ler a sinopse eu realmente me apaixonei e acabei comprando pra mim.

O livro é bem complicado de descrever, minha primeira impressão dos personagens foi que eu não gostei da protagonista para variar, ela é chata e mimada como a própria sinopse avisa. E eu pensei bastante em abandonar o livro no meio do caminho. Achava os personagens muito padronizados e achei que tinha perdido tempo.

Mas até que finalmente, eu me convencia terminar, porque eu tinha comprado e agora não podia voltar atrás, graças à Deus eu fiz isso!

No final eu realmente me apaixonei tanto quanto a protagonista, eu virei a madrugada inteira só por curiosidade, faltava tão pouco para acabar eu tinha que terminar! Eu não me arrependo de ter continuado, mesmo com o drama exagerado no início o final é tão compensador, adoro livros que os personagens sofrem grande mudanças!

4. Depois de Você.

Retrospectiva Literária 2016
Depois de Você

“Em Depois de você, Lou ainda não superou a perda de Will. Morando em um flat em Londres, ela trabalha como garçonete em um pub no aeroporto. Certo dia, após beber muito, Lou cai do terraço. O terrível acidente a obriga voltar para a casa de sua família, mas também a permite conhecer Sam Fielding, um paramédico cujo trabalho é lidar com a vida e a morte, a única pessoa que parece capaz de compreendê-la.

Ao se recuperar, Lou sabe que precisa dar uma guinada na própria história e acaba entrando para um grupo de terapia de luto. Os membros compartilham sabedoria, risadas, frustrações e biscoitos horrorosos, além de a incentivarem a investir em Sam. Tudo parece começar a se encaixar, quando alguém do passado de Will surge e atrapalha os planos de Lou, levando-a a um futuro totalmente diferente.”

Eu sinceramente achei que nunca ia superar o final de Como eu era antes de você. Ai veio a Jojo Moyes com Depois de você só para confirmar minhas certezas.

Não precisa nem de apresentações, Como eu era antes de você foi o sucesso de 2015 e de 2016 com o lançamento do filme, que particularmente me fez ficar ainda mais arrasada. E Depois de você foi a tão aguardada continuação.

Eu achei que terminaria Como eu era antes de você como terminei A Culpa É das Estrelas, deprimida e sem expectativas.

Mas lá estava a Jojo anunciando o lançamento desse livro maravilhoso. Eu o li em dois ou três dias, assim que laçou dei um jeito de tê-lo. Eu precisava lê-lo. E não me arrependo, como sempre Jojo arrebentou com a narrativas, novamente lá estava eu compadecida dos problemas da Lou, querendo muito que ela finalmente tivesse seu esperado final feliz, e admito, com um pouco de rancor por não ser com meu amor, Will.

Esse livro é perfeito, o romance continua, você sofre com a Lou, supera com ela e é como se fosse um livro de auto ajuda para superar personagens literários.

5. Dama da Meia-Noite.

Retrospectiva Literária 2016
Dama da Meia-Noite

“Em um mundo secreto onde guerreiros meio-anjo juraram lutar contra demônios, parabatai é uma palavra sagrada.

O parabatai é o seu parceiro na batalha. O parabatai é seu melhor amigo. Parabatai pode ser tudo para o outro mas eles nunca podem se apaixonar.

Emma Carstairs é uma Caçadora de Sombras, uma em uma longa linhagem de Caçadores de Sombras encarregados de protegerem o mundo de demônios. Com seu parabatai Julian Blackthorn, ela patrulha as ruas de uma Los Angeles escondida onde os vampiros fazem festa na Sunset Strip, e fadas estão à beira de uma guerra aberta com os Caçadores de Sombras. Quando corpos de seres humanos e fadas começam a aparecer mortos da mesma forma que os pais de Emma foram assassinados anos atrás, uma aliança é formada. Esta é a chance de Emma de vingança e a possibilidade de Julian ter de volta seu meio-irmão fada, Mark, que foi sequestrado há cinco anos. Tudo que Emma, Mark e Julian tem a fazer é resolver os assassinatos dentro de duas semanas antes que o assassino coloque eles na mira.

Suas buscas levam Emma de cavernas no mar cheias de magia para uma loteria sombria onde a morte é dispensada. Enquanto ela vai descobrindo seu passado, ela começa a confrontar os segredos do presente: O que Julian vem escondendo dela todos esses anos? Por que a Lei Shadowhunter proíbe parabatais de se apaixonarem? Quem realmente matou seus pais e ela pode suportar saber a verdade?”

Cassandra Clare é minha autora favorita e ponto. Eu a amo como eu amo minha família! E amo seus livros como se fossem meus filhos.

Ainda lembro como não soube lidar com o fim de Os Instrumentos Mortais, mesmo tendo conhecimento da estreia dessa nova série Os Artifícios das Trevas.

Eu só sei que quando descobri a data de lançamento, eu corri para o site da saraiva para reservar o meu!

Para aqueles que não conhecem as obras da Cassandra tão claramente quanto eu, se você tem Netflix provavelmente já ouviu falar da série Shadowhunters, uma produção original da própria Netflix, que estreou em janeiro desse ano e foi baseada em seu primeiro romance falando sobre os famosos Caçadores de Sombras.

Cassie estreou o Mundo das Sombras em 2010 com o seu primeiro livre, Cidade dos Ossos. Depois disso vários livros, ao total seis, concluíram a primeira série e posteriormente ela publicou outros com a mesma temática, incluindo os dois spin-off: As Peças Infernais e agora Os Artifícios das Trevas.

Dama da meia-Noite é maravilhoso e foi um crescimento pessoal da própria escritora, que evoluiu muito na sua maneira de escrever. O livro é leve, divertido, romântico e principalmente cheio de ação e magia. Há referências de todos os tipos de cultos, bruxarias e mundos ocultos, religiões e coisas do gênero, muita luta e momentos apaixonantes Os Artifícios das Trevas é um livro perfeito para todo mundo.

Mesmo com muitas citações dos livros anteriores, qualquer pessoa pode ler sem nenhuma preocupação, as referências são quase todas explicadas e as que não são, podem facilmente ser passadas sem nenhum problema.

6. A Garota Perfeita

Retrospectiva Literária 2016
A Garota Perfeita

“Mia, uma professora de arte de 25 anos, é filha do proeminente juiz James Dennett de Chicago. Quando ela resolve passar a noite com o desconhecido Colin Thatcher, após levar mais um bolo do seu namorado, uma sucessão de fatos transformam completamente sua vida.
Colin, o homem que conhece num bar, a sequestra e a confina numa isolada cabana, em meio a uma gelada fazenda em Minnesota. Mas, curiosamente, não manda nenhum pedido de resgate à família da garota. O obstinado detetive Gabe Hoffman é convocado para tocar as investigações sobre o paradeiro de Mia. Encontrá-la vira a sua obsessão e ele não mede esforços para isso.
Quando a encontra, porém, a professora está em choque e não consegue se lembrar de nada, nem como foi parar no seu gélido cativeiro, nem porque foi sequestrada ou mesmo quem foi o mandante. Conseguirá ela recobrar a memória e denunciar o verdadeiro vilão desta história?”

Eu confesso que não sou muito fã de suspense policial, pelo menos não na literatura, mas quando ganhei esse livro, fiz questão de dar uma chance à autora Mary Kubica, que eu desconhecia, até então.  E sinceramente? Eu adorei, passei o livro todo desesperada para chegar ao final.

Quando vi, realmente imaginei que era só mais thriller de sequestro repetitivo como muitos que eu já tinha lido.

A violência no livro vai muito mais do que só do sequestro, ele se aprofunda em toda a vida da família de Mia, como ela e sua mãe tem um relacionamento complicado, o desafeto do seu pai, um juiz frio e calculista, que só pensa em dinheiro e poder, o fato de Mia ser desprezada pela família simplesmente porque querer ser quem ela é.

Além do ponto de vista da mãe de dela, temos a narração do detetive, Gabe, e também do próprio carrasco, Colin, o homem que sequestrou Mia. Mas as várias narrações apenas dão a falsa impressão de que você possui várias perspectivas da história. A autora finge que dá informações ao leitor, mas na verdade está ocultando o mais importante e não vou contar o que é, claro.

O final da história é surpreendente, o antes e depois que a escritora fica intercalando, só torna tudo mais angustiante.

Esses foram os lançamentos desse ano que mais me chamaram atenção 🙂 E quais foram os seus?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *