Resenha literária: Radiante (Série Riley Bloom vol.1)

Imagem: x

Título: Radiante | Autora: Alyson Noël | Gênero: Fantasia e Romance

Sinopse: Riley Blomm, a irmã caçula de Ever, da série Os imortais, é a heroína da nova série de Alyson Noël. Em Radiante, após o acidente que a matou, Riley deixou sua irmã no mundo que conhecemos e atravessou a ponte da vida até Aqui, onde o tempo é sempre Agora. Riley reencontrou os pais, também vítimas do desastre, e Buttercup, o cão da família. Ela então foi chamada perante o Conselho e um segredo lhe foi revelado: a pós-vida não significa simplesmente uma eternidade de lazer. Riley tem tarefas a realizar. Ela é designada como Apanhadora de Almas, e Bodhi, um garoto diferente, que ela não consegue decifrar muito bem, é seu guia. Riley, Bodhi e Buttercup voltam à Terra para sua primeira tarefa: fazer o Menino Radiante, que há anos assombra um castelo na Inglaterra, atravessar a ponte. Muitos Apanhadores de Almas já tentaram convencê-lo e não obtiveram sucesso. Mas isso foi antes que o menino conhecesse Riley… “A maioria das pessoas acha que a morte é o fim. O fim da vida – dos bons tempos -, o fim de… bem, praticamente tudo. Mas essas pessoas estão enganadas. Completamente enganadas. Eu sei muito bem. Faz quase um ano que morri.”

Para começar, eu me surpreendi com essa série. Depois da tragédia que foi Os Imortais confesso que estava com o pé atrás para ler algo mais da Alyson Nöel, porém por experiência própria sei que um escritor evolui a medida que vai escrevendo mais e mais histórias. Também evito de ter esse tipo de preconceito, pois o fato de uma série ser ruim não significa que a outra não pode ser muito boa (hã? que? alguém aí falou A Hospedeira?). Então, sim, eu li a série da Riley ( e aguardo ansiosa pelo quarto e último livro, um beijo).
Eu andei lendo umas resenhas como pesquisa, para saber como o público andou reagindo ao livro. Até para me ajudar a pensar nas minhas próprias palavras e organizar minha opinião mais adequadamente. E pude perceber duas coisas:
Primeira: Os que não leram Os Imortais adoraram essa série e acharam a Riley fantástica.
Segunda: Os que leram Os Imortais se decepcionaram com essa série, dizendo que a Riley mudou.
O que eu achei: Não notei toda essa diferença na personagem. Acho que as pessoas não souberam separar um ponto de vista do outro. O que quero dizer com isso? Nos Imortais nos é mostrado apenas o ponto de vista da Ever, temos somente um vislumbre pequeno da personalidade da Riley – e vamos ser sinceros por um minuto, perto da Ever qualquer um é melhor. Já em Radiante, a personagem Riley Bloom é abordada muito mais profundamente. O que significa que não apenas lemos sobre o seu ponto de vista, como também conhecemos melhor a cabeça dela.
E isso inclui os seus defeitos. Acho que o pessoal não gostou de ver defeitos em uma personagem tão bem aceita anteriormente, mas eu digo que são os defeitos que mais tarde vão ter uma enorme importância na evolução da personagem e no enredo da série num geral.
O livro é pequeno e as palavras são fáceis e deliciosas de ler. Com capítulos com, em média, 3 a 6 páginas e uma escrita ao mesmo tempo simples e elaborada não é difícil de devorar o livro. Sem contar que a trama é muito boa e melhor desenvolvida.
A Riley é um misto de tom adulto e infantil. Tem vezes que é notável o ritmo de criança que as palavras assumem, assim como a voz adulta que elas assimilam ao longo da história. As situações apresentadas são bem feitas, embora um pouco corridas.
Essa foi a única coisa que me incomodou um pouco, o fato da Alyson ter corrido demais em algumas cenas ao invés de ter se demorado como seria o ideal, mas nada que o faça desistir do livro. Em nenhum momento você pensa em desistir. O ritmo é divertido demais.
Bodhi é o personagem misterioso da série. Ele é o treinador/chefe/amigo da nossa protagonista e eu simplesmente amei a relação que eles dois adquirem. Não to falando de relação romântica, mas a interação entre os dois é tão bem feita que beira a perfeição. É o tipo de relacionamento que você teria com um amigo próximo seu. Eles se tratam do jeito que eu imaginaria duas pessoas das idades deles fossem se tratar (a Riley tem 12 anos e o Bodhi 14). A química entre os dois é tanta que no final você acaba torcendo pra eles ficarem juntos. Sério.
Pode parecer meio precipitado, – até porque a Riley tem 12 anos – mas você não a vê desse jeito. Você não a vê como uma criança boba, ela é bem madura para a idade que tem. E a medida que você lê percebe nitidamente o amadurecimento da personagem. É diferente da Ever que cometia sempre os mesmos erros sem nunca aprender.
E tem o Buttercup – o labrador da família – que é o melhor personagem da história. Não só porque eu amo cachorros, mas porque a autora o conferiu uma personalidade marcante. Foi uma jogada de mestre.
Eu adorei o livro. Mas devo deixar avisado para aqueles que tem a intenção de comprar: esse não vai ser o melhor livro que você leu na sua vida, ou o que vai lhe dar uma concepção completamente nova sobre a existência do ser (ou sobre a morte). Esse livro, eu diria, é puramente para entretenimento. Ele é ótimo para você ler naquela tarde chuvosa em que não tem absolutamente nada para fazer.
Você não vai comprar esse livro porque é chamativo ou porque captura a sua atenção logo que se entra na livraria. Você vai comprar depois de dar algumas voltas sem achar nada que lhe interesse até se deparar com a capa. Então você vai ler a sinopse e achar interessante até se convencer a comprar.
Não espere que seja um livro cheio de floreios. Não vai ser. Porém se quer um livro rápido, divertido e para ler sem compromissos, compre Radiante. Tá dada a minha dica, vejo vocês na próxima resenha, beijos.

2 Comments

  1. Eu ganhei esse livro numa promoção e gostei dele. Eu acho a capa muito fofa e pretendo ler o resto da série.
    Também vi que a galera que leu Os Imortais não gostou. Realmente perto da Ever, qualquer pessoa é legal. Mas, não achei que a personagem mudou tanto assim. Pra mim, a Riley em Imortais era uma garota muito mimada e cheia de vontade.
    Os Imortais me decepcionou muito. Não sei como consegui sobreviver ao final da série.
    Beijos
    Balaio de Babados

  2. Eu tinha esse livro na época da minha biblioteca, quando morava em outra cidade, mas nunca li porque odiei Os Imortais hahaha. Eu não sei se teria coragem de ler outros trabalhos da autora, mesmo depois dessa resenha incrível. Realmente me decepcionei muito com saga…

    [www.vintezanos.com]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *