Motivos para ler A RAINHA VERMELHA da Victoria Aveyard

Eu sou uma pessoa relativamente atrasada em relação a ler coisas do momento. Um exemplo disso é que só esse ano eu li Fangirl (que é maravilhoso e eu indiquei nesse post aqui) e foi a mesma coisa com A Rainha Vermelha, um livro extremamente hypado ano passado, mas que eu só tive força de vontade para ler esse ano. Li exatamente em Março – porque estou fazendo a resenha agora? só deus sabe.

Sobre o que trata A Rainha Vermelha?

É uma mistura de X-Men com qualquer outra distopia que você conheça. To brincando, pra ser mais justa a história fala de um mundo que é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare (a protagonista) e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.

Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso. Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?

E vale a pena ler A Rainha Vermelha?

Eu acho que todo livro (fora alguns péssimos) deve ser lido. Porque cada leitor terá uma receptividade para a historia com base no que gosta e no que já leu na vida. Então apesar das súplicas dos meus amigos (sim Vini e Mari) pedindo para eu não ler, alegando que seria uma perda de tempo total, que o livro é ruim – eu encarei esse desafio.

Me apaixonei pela história nos primeiros capítulos

Eu não me conectei com a história nas primeiras páginas, havia acabado uma leitura maravilhosa e sabe quando você ainda está com a cabeça na leitura anterior? Eu estava assim. Passando o primeiro, segundo e terceiro capítulo eu já estava envolvida e tensa com o desenvolvimento das coisas.

Certamente a autora sabe nos envolver e dar credibilidade para o mundo que criou. Um problema das distopias jovens que li até agora é que apesar dos personagens estarem em uma situação tensa com um governo totalitário e uma sociedade desigual eu nunca senti de fato esse peso e medo dos personagens.

Em A Rainha Vermelha eu senti. Eu gritei, eu fiquei indignada, eu gritei de novo. São essas sensações que fazem uma leitura marcante pra mim. Aquela leitura que vou querer repetir.

Uma distopia com poderes?

Ta aí um diferencial que me prendeu. Sabemos que só com lábia um grupo de pessoas pode comandar uma nação. Que o dinheiro torna a elite amedrontadora. Mas e se essas pessoas, nascidas em berço de ouro nascerem com poderes sobrenaturais de todos os tipos? Seria muito mais difícil se rebelar dessa forma. E isso pra mim tornou a trama muito mais interessante isso sem falar que nossa protagonista descobre que talvez também tenha poderes. É ou não é tenso? Isso deixou meu coração explodindo.

Mas, infelizmente, as coisas se perdem

E finalmente o x da questão. Acredito que o principal divisor de opiniões sobre esse livro é o final. Mas entendam: não é o meio, não é quase no final, é exatamente no final, nos últimos capítulos que a história da uma reviravolta tão sem sentido que eu – que estava lendo em um dia só tudo – parei por um final de semana pra respirar e acreditar que algo tão bom se reverteu em loucura.

Meus amigos tinham razão – em partes, mas tinham – o livro me decepcionou, talvez eles tenham desgostado de outras coisas, eu em específico só odiei o final.

E é por isso que acho que A Rainha Vermelha deve ser lido. Porque eu assisto e leio resenhas de pessoas que odiaram e de pessoas que amaram – poucos livros tem o poder da discórdia, esse com certeza tem e merece que você tire sua própria conclusão sobre ele.

Bem pessoal, essa é a minha indicação da semana e quero saber de vocês:

Qual livro polêmico (odiado por uns/amado por outros) vocês já leram?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *