A Grande Muralha: Vale a pena assistir? – Crítica do Filme

A Muralha da China é uma arquitetura militar mundialmente conhecida e admirada. E pensando na grandiosidade que a estrutura possui, o filme A Grande Muralha traz uma homenagem condizente com a cultura chinesa e cumpre com êxito a função de entreter o público.

Contexto Histórico

A Grande Muralha não é um filme solto no meio de algum momento da história da humanidade ou alheio a essa linha do tempo. Na verdade a motivação – o ponto de partida – para que os personagens William e Pero (Matt Demon e Pedro Pascal, respectivamente) encontrem a Muralha da China é justamente a busca pelo “pó negro” – a pólvora -. Isso é muito interessante, principalmente para o ponto a seguir.

Ocidentais salvando Orientais?

O filme mal estreou e levantou um debate que até pouco tempo estava adormecido: a recorrência de filmes que retratam um contexto bélico oriental onde algum ocidental salva de forma majestosa todo um exército, uma cidade, ou até mesmo um país. A Grande Muralha despertou essa discussão, pois o protagonista do filme Matt Damon acaba justamente nessa posição. Porém, o contexto histórico do filme (o mundo ocidental antes da descoberta da pólvora como foi falado no tópico anterior) explora características como ganância e egoísmo dos personagens ocidentais, o que coloca mais uma camada histórica para que o público absorva, pois o uso da pólvora pelos ocidentais aumentou a escala destrutiva desse material.

Mulheres Guerreiras

A Grande Muralha nos trouxe mulheres guerreiras e em total destaque na guerra, o que na história real seria algo difícil de acontecer, tendo em vista o tradicionalismo da China, o filme transformou em uma realidade muito bem trabalhada. E isso vai desde a função que elas ocupam no exército à inexistência de um romantismo forçado e que reforça muitas vezes no cinema a imagem da mulher em meio a homens somente como par romântico.

Monstros e mitologia

E por fim, mas não menos importante, em meio a toda essa contextualização histórica e um discreto debate sobre gêneros, nós temos os monstros, que são os grandes vilões da história. Seres que a cada 60 anos atacam a muralha em busca de comida. Particularmente, fiquei decepcionada pela apelação mitológica para gerar um combate, pois a mesma não foi muito bem abordada, nem aprofundada. Senti que os 103 minutos de filme talvez não tenham sido muito bem aproveitados de forma que sentíssemos a tensão que aquelas criaturas traziam.

Bem, A Grande Muralha é um filme que explora a cultura chinesa muito bem, o diretor Yimou Zhang, que produziu O Clã das Adagas Voadoras, garantiu que nesse aspecto o filme ficasse atrativo. Quanto ao roteiro, feito por Tony Gilroy, foi muito decepcionante, tendo em vista que ele foi o roteirista de filmes como Rogue One e Advogado do Diabo. Todos os elementos que citei nos tópicos poderiam ser muito melhor aproveitados, mas apesar disso, o filme é uma ótima opção para quem gosta de guerras e até mesmo dar risadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *